FEUP revela fenómeno explosivo em estrelas

altUm estudo da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), publicado no passado dia 15 de fevereiro na revista científica Monthly Notices of the Royal Astronomical Society, permitiu observar duas estrelas, muito jovens, rodeadas por um disco de poeira e gás, capazes de formar planetas. Desenvolvida por Paulo Garcia, professor do Departamento de Engenharia Física da FEUP, a investigação revela que quando as órbitas destas duas estrelas estão no ponto de maior proximidade interagem num evento explosivo.

Este fenómeno foi observado através do Very Large Telescope Interferometer, considerado um dos mais avançados telescópios do mundo, localizado no Chile. Este telescópio, quando integrado com o instrumento AMBER (que combina a luz de três telescópios simultaneamente), deteta o fenómeno explosivo das estrelas.

Paulo Garcia começa por explicar este fenómeno com a origem do nosso sistema solar, que se formou através de um disco de poeiras e gás, quando o Sol (atualmente com cerca de cinco mil milhões de anos) tinha aproximadamente um milhão de anos de idade. No caso das estrelas binárias, uma delas tem cerca do dobro da massa do Sol e a outra, uma massa parecida com a do “astro-rei”. Com uma idade de quase um milhão de anos, têm ainda o seu “sistema solar” em formação. Estas estrelas binárias orbitam uma em torno da outra, dando uma volta completa a cada três semanas e estando separadas na região mais próxima por uma distância apenas setes vezes maior que o seu raio.

“Quando são jovens, as estrelas têm uma atividade magnética muitíssimo mais intensa do que o Sol. Têm à sua volta estruturas magnéticas muito extensas e variáveis e também um disco onde se estão a formar planetas. Pensa-se que o evento explosivo se deve à conjugação de uma pequena separação, de modo a que estas estruturas se sobrepõem, e de matéria que cai para as estrelas”, revela Paulo Garcia.

O estudo que acaba de ser publicado conta com a colaboração de investigadores da Alemanha, Itália, França e Chile. A técnica utilizada na investigação é conhecida por interferometria e, de acordo com Paulo Garcia, permite obter informação com uma precisão angular 500 vezes superior a um telescópio num dos melhores observatórios do mundo. “Existe outra tecnologia - a ´ótica adaptativa´ - que corrige em tempo real a ´cintilação´ das estrelas. mesmo assim, a interferometria obtém informação angularmente 50 vezes mais precisa. Esta tecnologia é muito importante, porque as estrelas estão muito próximas, e a sua separação angular é muito pequena”, destaca o investigador da FEUP.


( 1 Voto )
 

Últimas publicações

Publicações relacionadas

GuiaTV

Escolha abaixo o canal.

Canal:

Data:

You need Flash player 6+ and JavaScript enabled to view this video.

Playlist: 0 | 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11

Your are currently browsing this site with Internet Explorer 6 (IE6).

Your current web browser must be updated to version 7 of Internet Explorer (IE7) to take advantage of all of template's capabilities.

Why should I upgrade to Internet Explorer 7? Microsoft has redesigned Internet Explorer from the ground up, with better security, new capabilities, and a whole new interface. Many changes resulted from the feedback of millions of users who tested prerelease versions of the new browser. The most compelling reason to upgrade is the improved security. The Internet of today is not the Internet of five years ago. There are dangers that simply didn't exist back in 2001, when Internet Explorer 6 was released to the world. Internet Explorer 7 makes surfing the web fundamentally safer by offering greater protection against viruses, spyware, and other online risks.

Get free downloads for Internet Explorer 7, including recommended updates as they become available. To download Internet Explorer 7 in the language of your choice, please visit the Internet Explorer 7 worldwide page.